Filosofia da educação (uma visão ácida, mas honesta)

 

(outubro de 2008)

Prelúdio

Há de se pensar no termo filosofia como algo intangível à maior parte dos seres pensantes [sic].

Pensante? Creio ser este o adjetivo com menor adequação à grande massa dos famintos do saber. Seja por medo ou por conveniência, pensar deixou de ser a ação padrão do homem padrão, funcionário padrão cuja forma mais sensata e a roupa que melhor lhe serve é o uniforme da servidão.

E o que faz o alfaiate do saber? Avia a linha da informação fingindo tecer a seda do conhecimento e simulando uma costura que não combina com a vestimenta padrão dessas pessoas de cor cinza?

Sem pretensão de tornar esta leitura prazerosa, tentar-se-á discorrer nesse humilde texto alguns aspectos sobre a Filosofia da Educação sob uma ótica embaçada e míope que enxerga pouco mais do que se pode fazer por esses infelizes em curto prazo para que se tornem pessoas.

O que é filosofia?

Ao tentar derrubar, tal como se tenta fazer com um obstáculo, o preconceito existente sobre a filosofia, podemos querer fazer algo maior do que nossa capacidade permite: Tentar defini-la.

O que se pode fazer é chegar a uma aproximação limitada e distorcida sobre a semântica do termo e não se pretende fazer nada além nessa seção.

Filosofia é o resultado e o meio pelo qual o homem tenta produzir sua realidade e identidade. Isto posto que o homem, por meio de sua relação com o meio em que vive, seja capaz de estabelecer e consolidar conhecimentos a partir do pensamento ao longo de sua história.

Ao se considerar os conceitos de práxis, poiésis e theoria como movimentos inerentes à relação humana com seu meio temos que a filosofia é fruto das relações éticas e políticas (entre seres pensantes), da produção de pensamento e da consolidação do conhecimento humano ao longo da história.

Assim, pode se aproximar que, em última instância, a filosofia trata do conhecimento humano.

Conhecimento. Palavra ligeiramente perigosa que remete ao colorário de que esse implica em uma leitura crítica da realidade.

O conhecimento merece uma ligação direta com o conceito de Educação, posto que seja o meio natural de sua perpetuação.

Realidade Grega e seus impactos na filosofia

A origem da filosofia tal como conhecemos se confunde com a origem da sociedade grega. O “conhecimento” oriental pré-existente, devido ao seu cunho de objetivo prático voltado às questões do dia-a-dia, não tinha a pretensão do “pensar sobre o conhecimento”, isto é, de entender como o conhecimento é estabelecido e transmitido ou mesmo a pretensão da reflexão de como o conhecimento é construído pelo homem.

Da organização da sociedade grega derivam os primeiros conceitos filosóficos que foram refinando-se ao longo da história evolutiva (entenda-se aqui que isso ocorre através das mudanças promovidas pela força política nessa sociedade).

A evolução desses conceitos está intimamente ligada às questões de ordem política determinada pela organização da sociedade Grega. A migração do conceito do “Mito” existente na origem dessa sociedade para o “Logos” (razão) através da Tragédia é o melhor indício do uso deliberado de conceitos filosóficos para o estabelecimento da ordem societária. A tragédia, em uma extrapolação bem grosseira, pode ser considerada a “catequese” da formação humana com o objetivo de consolidar conceitos que usamos até os dias atuais como o conceito de Justiça (dike), Paidéia (formação), Pólis (organização estrutural da sociedade – cidade) e Sofrosine (calma – ou senso de ordem).

No primeiro momento grego (pré-socrática) há a origem do termo filosofia filos-sóphos e carrega consigo a ‘negação dos sábios’, isto é, o termo nasce, assim como a ciência filosófica, com uma natureza da negação, da rebeldia, da contestação. Neste tempo o objetivo era o ‘entendimento da origem das coisas’.

O momento posterior, o da antropologia, centrada no estudo do homem e de suas relações sociais, estabelece a educação como agente de controle da ordem da sociedade. É neste momento em que os formalismos educacionais são estabelecidos que, em síntese, transforma o homem e sua percepção de realidade de forma indelével e irreversível.

O método filosófico

Considerando a natureza contestadora original da filosofia citada acima, a organização do pensamento filosófico nos remete ao método como possibilidade e pressuposto à produção do conhecimento humano através da investigação criteriosa e imparcial com o objetivo definido de estabelecer a “verdade”, ainda que dependente do aspecto temporal do conhecimento com base na realidade tátil (concreta e fenomenológica) existente.

A realidade, por sua vez, é dependente da percepção sensorial do mundo físico que circunda o homem e, por isso pode gerar contaminação tanto nas premissas eleitas para a produção do conhecimento quanto na derivação lógica das conclusões baseadas nessas mesmas premissas.

Assim, o método pretende estabelecer critérios rigorosos para minimizar os efeitos dessas contaminações sensoriais.

Toda investigação baseia-se na busca do “motivo”. Assim, a produção do conhecimento humano é disparada pela pergunta elementar do “Por quê?”.

A busca da resposta do “porquê” das coisas permite ao homem imprimir sua marca e alterar significativamente sua realidade histórica. Tal busca, se conduzida pelo método científico, permite ao homem transformar a suposição inicial em constatação do fato e origem do “motivo”.

O método é o meio pelo qual o homem encara suas questões de forma objetiva a fim de procurar a melhor aproximação de “verdade” possível em seu contexto histórico.

O “senso comum”, em oposição ao método filosófico, não estabelece critérios objetivos para a produção efetiva da verdade, do conhecimento e não sustenta sua visão da realidade quando confrontado com as conclusões obtidas por meio do método. O caráter crítico e inquieto da filosofia desarticula a argumentação fragmentada do senso comum através da objetividade.

Filosofia da educação

A evolução da filosofia em seu mote de produção e consolidação do conhecimento humano ao longo da história sugere seu forte vínculo com as questões educacionais e de formação humana.

Tanto a corrente empírica quanto a corrente racionalista, por meios e métodos distintos buscam promover a produção do conhecimento conforme sua importância de aplicabilidade (a prática para a corrente empírica e a idéia/conceito para a corrente racionalista). Ambas convergem sobre a aplicação do método e o uso da razão para o estabelecimento da verdade.

Seja pela essência ou pela existência, a aplicabilidade da filosofia da educação deve ser direcionada para fomentar a transformação da educação a partir de práticas elaboradas para este fim.

Conclusão

A filosofia, cuja natureza contestadora é inerente à sua origem, permite ao homem a construção legítima e contínua de uma base sólida e objetiva do conhecimento.

Como agente de formalização do processo de produção do conhecimento humano estabelece, por meio do método filosófico, uma ferramenta clara e objetiva para a produção e validação do conhecimento ao longo do tempo.

Independente das diversas correntes segmentais de adoção, a aplicabilidade da filosofia é o pilar do desenvolvimento do processo educacional.

A “graça” efetiva da filosofia é estar disponível e devidamente aplicada por meio de seus conceitos mesmo que a maior parte dos seres pensantes não tenha estabelecido sua percepção de que a filosofia é inerente ao conhecimento que os beneficia. E este fato, a meu ver, é a melhor tradução de sua importância, pois atinge a humanidade sem distinção sequer da percepção da influência da filosofia em cada vivência particular.

Referência

Silva, P. M. (Junho de 2007). Caderno de referência de conteúdo de Filosofia da Educação. (C. E. Claretiano, Ed.) Batatais, SP, Brasil.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s